Espondilólise não é comum, mas pode ocorrer em pessoas mais jovens!

Saiba que o excesso de treinamento ou o exercício feito de forma errada, pode gerar o que chamamos de espondilólise.

espondilolise 2

Espondilólise é um termo, para definir um defeito na pars interarticulares ou istmo das vértebras da coluna. Ocorre principalmente na lombar baixa L5-S1, podendo ser uni ou bilateral associado á uma espondilolistese (deslocamento vértebra em relação a vértebra subseqüente)

Ainda que os defeitos congênitos ou de desenvolvimento existam, o que se vê hoje é um aumento da prevalência desse tipo de lesão em atletas jovens, onde a fratura por fadiga da pars ou istmo são causadas principalmente pela repetição de movimentos de hiperextensão de coluna lombar observado principalmente na ginastica, natação, tênis e voleibol.

O que difere de outras fraturas de estresse da espondilólise é a predisposição genética, rarefação ou ausência de calo ósseo com idade de aparecimento muito precoce.

O praticante de atividade física pode relatar dor ao impacto do solo ou déficit de flexibilidade da parte posterior da coxa.

O inicio do quadro de dor é progressivo e pode gerar dor intermitente sem associação com fatores neurológicos (formigamentos nos membros inferiores). Normalmente são vistos quando associados a espondilolistese.

Alguns aspectos que podemos encontrar nessa lesão:

  • Hiperlordose (aumento da lodosa lombar) e atitude escoliótica devido a dor;
  • Contratura da musculatura paravertebral;
  • Reprodução da dor ao movimento de hiperextensão de coluna.

A prevalência dessa lesão diminui após os 20 anos de idade e volta a aumentar somente a partir dos 60 a 80 anos de idade.

Mas lembre-se! Atividades, que geram movimentos repetitivos de hiperextensão podem aumentar o risco da espondilólise em crianças.

Em casos como esses com melhora da estabilidade através do treinamento dos músculos estabilizadores locais e globais, além disso, a maca de descompressão, que auxilia na mobilização facetária sem gerar estresse mecânico a unidade vertebral.

Saiba mais sobre espondilolistese e espondilólise.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *