Matéria: Você já ouviu falar em baropodometria?

Matéria publicada no Portal Insanoutilizando o Instituto RV como fonte.

Conhecida como “teste da pisada”, a baropodometria identifica qual região dos pés sofre mais sobrecarga de pressão, seja quando estamos parados ou em movimento. Descobrindo a tipologia do seu pé, é possível corrigir e redistribuir essa sobrecarga com a confecção de uma palmilha proprioceptiva/postural.

 

O uso de uma palmilha ideal melhora a distribuição da carga nos pés e aumenta sua área de contato, proporcionando maior estabilidade e melhora do equilíbrio”, conta Vinicius Paciulo, sócio e fisioterapeuta do Instituto RV. Como conseqüência, auxilia na melhora de males que vão desde tendinopatias e entorses recorrentes a esporões calcâneos, neuromas de morton, metatarsalgias e dores gerais nas articulações dos membros inferiores, assim como nos pés, pernas, quadris e joelhos.

O teste da pisada pode ser feito independente da pessoa apresentar dor. No Instituto RV, utiliza-se a baropodometria até mesmo nos tratamentos de coluna, para a melhora da posição ortostática e do equilíbrio.

No caso dos esportistas, identificar onde está a sobrecarga de pressão se torna uma ferramenta extremamente importante, pois auxilia na definição do treino, calçado e na análise biomecânica.

Praticantes de esporte radicais exigem muito do seu controle postural pelo excesso de estímulos motores e sensórias – a interação desses sistemas é importantíssima para garantir a estabilidade corporal. Portanto, dentro do aspecto estabilidade, a baropodometria possui um dispositivo de análise chamado Estabilometria, que detecta as oscilações do atleta de forma estática, e pode ser feita em apoio bipodal, unipodal e de olhos fechados, para verificar a capacidade de estabilidade e equilibrio. A Estabilometria é de suma importância para eles em pré treinamento ou para auxiliar na reabilitação, pois as lesões de caráter ortopédico são muito comuns em esportes radicais.

Não existe uma idade para realizar a baropodometria e estabilometria, quando se trata de métodos de avaliação e dispositvos auxiliadores de pré temporada e reabilitação, pois o controle motor e equilíbrio são melhorados pela quantidade de estímulos recebidos por esse atleta independente de idade.

O resultado disso é uma melhor performance nas atividades físicas e a diminuição do risco de ocorrer lesões”, explica Paciulo. “Quando definimos a tipologia do pé, a escolha do calçado se torna mais fidedigna”, complementa, dizendo que, inclusive, no mercado, já existem calçados disponíveis para cada tipo de pisada.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *