Dor no quadril e na lateral da coxa em praticantes de corrida

A dor no quadril tem cada vez mais acometido os praticantes de corridas. É a quarta maior queixa de dor em corredores e acomete principalmente mulheres. As Bursites, tendinites, contraturas musculares, dores irradiadas da coluna lombar são algumas patologias, que podem causar dor nessa região.

As patologias graves como tumor, fraturas, fibromialgia também podem gerar dor, o que torna imprescindível a avaliação fisioterapêutica e médica. Diferentemente de outras lesões em corredores, a dor lateral de quadril não parece estar relacionada ao overtraining.

Em 2011, Ferreira et al, investigou 100 corredores com e sem dor lateral do quadril e verificou que o grupo que desenvolveu dor no quadril tinham os mesmo hábitos de treinamento que o grupo sem dor. O que então pode gerar essa dor? Excluindo as patologias graves (tumor, fratura, fibromialgia) a dor lateral do quadril parece ter origem no desequilíbrio muscular local e no impacto da perna no solo durante a corrida onde há uma aumento de 2 a 2,9 o peso corpóreo sobre a articulação do quadril.

Na caminhada a força desse impacto é de apenas 1 a 1,5 o peso corpóreo. Com esse impacto grande na articulação, a musculatura lateral da coxa (abdutores) é muito recrutada e pode ser sobrecarregada gerando disfunção do movimento normal sobrecarregando os tecidos, podendo, ocasionar o aparecimento de tendinite, bursite ou a famosa síndrome do trato iliotibial (síndrome do corredor).

As mulheres são mais acometidas devido ao fato da pelve ser mais larga, aumentando a demanda dos abdutores, que se estiverem fracos, não serão capazes de estabilizar o movimento. Além do desequilíbrio muscular, outros fatores também aumentam a chance de dor lateral do quadril como esteira estreita (perna fica mais junta aumentando a sobrecarga sobre os músculos abdutores durante a corrida), pisada supinada, retropé varo, encurtamentos musculares e outros.

Links Relacionados: Tênis para corrida 

Fonte: Instituto RV – Dr.Rodrigo Garcia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *