HÉRNIA DE DISCO, CIRURGIA NÃO PARECE SER A SOLUÇÃO

Hérnia de disco

Já falamos muito aqui sobre as evidências que mostram que não é muito claro a relação de dor e incapacidades com o diagnóstico de Hérnia de disco.

A grande maioria dos pacientes que tem dor nas costas e fazem uma Ressonância Magnética, onde aparece uma hérnia de disco, ficam assustados com essa constatação e logo pensam que isso é uma patologia grave que gera incapacidades. Muitos pacientes acreditam que terão que parar suas atividades ocupacionais e esportivas ou terão que realizar longos tratamentos ou optarem por realizar uma cirurgia. Mas será que isso mesmo é verdade ou apenas criou-se um mito sobre a malignidade da Hérnia de disco?

Um estudo publicado em 2010 por uma revista Inglesa, feito por médicos ingleses, retrata um pouco o que os novos estudos e pesquisas apontam: a hérnia de disco nem sempre é a vilã da historia.

Esse estudo acompanhou 37 pacientes com Hérnias Massivas de Disco (HMD) por 7 anos. Os pesquisadores mensuraram o volume dessas HMD e fizeram testes de dor nos indivíduos. O objetivo era observar o que o tratamento conservador (não cirúrgico) resultaria nesse grupo de pacientes após um longo período (7 anos).

Durante o estudo apenas 4 pacientes desistiram do tratamento conservador e optaram em realizar cirurgia (discectomia). Dos 4 pacientes NENHUM resolveu seu problema apos 7 anos:

  • Dois tinham sintomas ocasionais (50%)
  • Um tinha sintomas freqüentes (25%)
  • Um teve recidiva tardia (25%)

Já os que optaram pelo tratamento conservador apresentaram os seguintes resultados após 7 anos:

  • 87 % mostraram melhora clínica completa e sustentaram a melhora
  • 17% tiveram sintomas recorrentes

No início do estudo, os pesquisadores formularam 5 questões relevantes sobre optar por cirurgia ou não. Após os 7 anos do estudo chegaram as seguintes conclusões:

1 – É seguro adotar uma política de “esperar e tratar sem cirurgia” casos de HMD, permitindo a possibilidade do problema se resolver espontaneamente quando há sinal de melhora precoce?Resposta: Sim, é seguro

2- Casos de HMD podem mostrar melhora clínica completa, e sustentar essa melhora no longo prazo?Resposta: Sim, 83% tiveram melhora completa e sustentaram a melhora

3- Existe uma tendência de HMD gerarem dores recorrentes aos pacientes se não realizarem cirurgia?Resposta: Somente 17% dos indivíduos sentiram sintomas recorrentes

4- Existe um risco de lesão no nervo ou da cauda equina pela abordagem conservadora?
Resposta: Não há risco de lesão do nervo ou cauda eqüina quando há sinal de melhora clínica

5- O que acontece com o núcleo pulposo que extravasa para o canal do nervo? Ele é reabsorvido no longo prazo?
Resposta: HMD geralmente reduzem seu volume, e APÓS SEIS MESES SÃO APENAS UM TERÇO DO SEU TAMANHO ORIGINAL.

O resultados do estudo mostra que a Hérnia de disco não é uma patologia grave e sua indicação cirúrgica só deve ser feita em casos muitos específicos onde o tratamento conservador bem feito falhou nos resultados. Muitos estudos mostram o mesmo resultado.

O Instituto RV, há 7 anos, elaborou um tratamento não cirúrgico para dor nas costas e hérnia de disco. Esse tratamento tem como base uma avaliação clínica completa através de testes funcionais e clínicos que identificam a origem da dor permitindo um tratamento seguro, rápido e eficaz.

Saiba mais sobre nosso tratamento clicando aqui.

Dr. Caio Marengoni, Fisioterapeuta do Instituto RV

 

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/…/PMC30252…/pdf/rcse9202-147.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *