Tenho dor nas costas, e agora?

3 de agosto de 2015

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 85% da população mundial sofre ou sofrerá de dores na coluna ao longo da vida. No Brasil, ela já é responsável por mais de 160.000 casos de afastamento do trabalho por ano, segundo relata o Ministério da Previdência Social. Assim, a dor nas costas é considerada a doença crônica mais comum entre os brasileiros.

Mas você sabia que, apesar desses números alarmantes, apenas 10% dessas dores são consideradas graves? Para a grande maioria, acontecerá, em 2 ou 3 meses, o que chamamos de melhora natural da dor.

No entanto, são nos casos crônicos que encontramos as maiores dificuldades. Existem diferentes tipos de dores na coluna, e ainda não há um consenso de como tratá-las de forma rápida e eficaz. Estudos e pesquisas são produzidos no mundo inteiro propondo grande quantidade de tratamentos, que acabam por não criar uma padronização. Por vezes, os profissionais da saúde (médicos, fisioterapeutas e educadores físicos) não falam a mesma língua, confundindo o paciente e fazendo com que vários casos não tenham sucesso em suas abordagens propostas.

Em contrapartida, a padronização dos tratamentos para se tratar de uma dor que tem origens diferentes também parece equivocado. O que serve para um, pode não ser adequado para outro. Por isso, é comum encontrarmos pacientes com exames que apresentam imagem de lesão, tomam medicação específica, fazem 40, 50 sessões de fisioterapia a base de eletrochoques, e que até mesmo são submetidos a cirurgia e, mesmo assim, não conseguem resultados positivos. Na maioria desses casos de insucesso, provavelmente a origem da dor não era aquela que saiu no exame. A lesão existe, mas não é ela que está causando a dor do paciente.

Atualmente, a dor que a estrutura lesionada pode gerar ao paciente é alvo de muitos estudos, e, ao contrário do que se imaginava antigamente, a maioria das alterações degenerativas na estrutura da coluna lombar não são preditoras de dor lombar. Ou seja, a pessoa até pode ter uma lesão que aparece na ressonância magnética, mas nem sempre é aquela lesão que gera a dor.

Quando o problema é atribuído a essas alterações no exame de imagem, sem uma avaliação criteriosa, isso faz com que os tratamentos não sejam acurados e acabam gerando um número enorme de cirurgias desnecessárias, pois o foco da dor não foi combatido.

Parece um ciclo: o paciente que sofre de dor crônica lombar procura um especialista, que indica uma série de exames e medicações. Os exames são feitos, mas dificilmente apontam para uma lesão grave na coluna (apenas 2% dos exames mostram patologias graves). O especialista indica fisioterapia ou outro tratamento qualquer, que geralmente é passivo (com pouco movimentos). Na maioria dos casos, o paciente não apresenta melhora. A dor continua e o médico, então, indica cirurgia como opção de tratamento (isso quando a cirurgia não é indicada como primeiro tratamento).

Mas será essa a solução?

Um estudo do Hospital Albert Einstein, realizado com 1679 pacientes que estavam com indicação cirúrgica para hérnia de disco, mostrou que 59% deles não se beneficiariam com a cirurgia. Ou seja, cerca de 990 pacientes seriam operados sem necessidade e teriam seus quadros de dor e incapacidade mantidos após a cirurgia. Outros estudos, mundo a fora, demonstram os mesmos resultados.

Por outro lado, 90% dos pacientes de hérnia de disco melhoram com tratamento conservador (fisioterapia), desde que bem executado. Poucos casos realmente tem indicação cirúrgica, por mais grave que possa parecer. Por esse motivo, o Instituto RV desenvolveu um tratamento exclusivo e não cirúrgico para a coluna vertebral. Chamado de RCV – Reequilíbrio da Coluna Vertebral, ele leva em consideração as várias origens da dor nas costas, e através de uma avaliação sistemática, consegue identificar com testes e análises, o foco da dor, otimizando o tratamento e reduzindo o tempo para se alcançar a melhora. Outro foco do RCV é a orientação do paciente para que ele não tenha uma recidiva, tão comum nesses casos.

Se interessou e quer saber mais? Clique aqui e conheça o nosso tratamento.

Veja as principais dúvidas dos nossos pacientes sobre o tratamento da coluna

  • Tenho dor nas costas, e agora?

    Segundo dados da Organização Mundial de saúde (OMS), 85% da população mundial sofrem ou sofrerão de dores na coluna ao longo da vida. No Brasil, a dor nas costas é a responsável por mais de 160.000 casos de afastamentos por ano, segundo dados do Ministério da Previdência Social…

    Saiba Mais
  • Tratamento de Hérnia de Disco

    Seus principais sintomas são dor aguda na região cervical ou lombar, muitas vezes, acompanhada de dor irradiada para os membros superiores ou inferiores, com ou sem parestesia (formigamento), fraqueza muscular, dificuldade de locomoção e incapacidade temporária…

    Saiba Mais
  • Patologias da coluna vertebral

    As patologias da coluna vertebral podem gerar alterações mecânicas e serem tratadas com o RCV…

    Saiba Mais
  • Maca de Descompressão Vertebral

    A fisioterapia vem mostrando grandes avanços na área de reabilitação de coluna através de publicações de estudos científicos, técnicas especificas e tecnologia moderna.

    Saiba Mais