Whiplash sindrome do chicote conheça os sinais, sintomas e classificação dessa lesão da coluna cervical, que ocorre principalmente após acidentes automobilísticos

Por Instituto RV- Vinicius Paciulo

A síndrome do chicote ou “lesão por desaceleração”, passou a ser conhecida durante o auge das ferrovias, quando indivíduos envolvidos em acidentes de trem começaram a manifestar sintomas semelhantes, compreendidos basicamente por dores cervicais e perda de amplitude de movimento. O quadro foi, então, denominado de “railway spine” (coluna da estrada de ferro) (Eck et al, 2001; Garamendi et al, 2003).


Essa Síndrome é a denominação dada ao conjunto de sinais e sintomas, que acometem uma pessoa submetida ao mecanismo de aceleração/desaceleração (movimento em chicote) imposto à região cervical ocasionados por exemplo em um acidente automobilístico.

Sinais e sintomas encontrados nessa síndrome por (Young, 2001; Ferrari, 2002; Perez, 2003;Juan, 2004;Kessels, 2000; Smed, 2009;Schmand et al, 1998; Branstrom et al, 2001):

– Alterações ósteo-mio-articulares;
– Alterações neurológicas e psicológicas,
– Cefaleias e algias torácicas;
– Perda de amplitude removimento;
– Diminuição de reflexos e cognição;
– Estiramentos musculares e ligamentares;
– Distúrbios vestibulares, como vertigem e déficits de equilíbrio;

O diagnostico torna-se difícil uma vez que nem sempre existem alterações anatômicas ou fisiológicas no exame clínico e/ou nos exames por imagem, evidentes, que justifiquem o quadro.

A Quebec Task Force (1995) classificou as Desordens Associadas à Síndrome do Chicote (DASC) em:

Grau 01: Manifestações clínicas como: dor e rigidez cervical ou contratura muscular, porém, sem sinais clínicos;
Grau 02: Manifestações clínicas como: dor e rigidez cervical ou contratura muscular, com sinais musculo-esqueléticos;
Grau 03: Manifestações clínicas como: dor e rigidez cervical ou contratura muscular, com sinais neurológicos;
Grau 04: Manifestações clínicas como: dor e rigidez cervical ou contratura muscular, com fratura ou luxação cervical.

A instabilidade permanente ocasionada por essa síndrome gera um deficit de cognição dos músculos profundos, portanto o re-treinamento de músculos locais melhora cognição dos músculos mais profundos da região cervical redefinindo a função de estabilidade local, global e de movimento de cada músculo. Além disso, outras técnicas de mobilização articular e neural, podem ajudar nas manifestações clinicas dessa síndrome.

Links Relacionados: Estabilizadores de coluna, Tratamento para Whiplash

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *